domingo, 24 de março de 2013


Lágrimas Do Sol

O calor a pele arde...
O sol cede os raios dourados....
Aquecendo a derme...

Dourando a pele...
Tocando a mente...
Deslizando, cintilando...
Reluzindo vem surgindo...

Lágrimas são cascatas insensatas...
Brilhantes como diamantes... 
Percorrendo as veredas...
Formadas nas faces tristonhas...

Como labaredas acesas...
Incendiando o árido deserto...
Não poupam ninguém...
Nem o sol também.

Os caminhos tão cáusticos...
Como a água do mar.
A salmoura que é o doce da alma...
Que alimenta a boca sedenta...

Que o sol vem beijar...
Tocando com seu hálito ardente...
Deixando a própria pele em ebulição.
Numa suprema purificação do sofrer...

Desejos que sempre possa chover!
Que o céu possa verter suas lágrimas...
Presenteando-os sempre com um novo amanhã...
Clareando os sorrisos...

Num ritual precioso uma suave brisa...
Fazendo soar ao vento uma canção...
Um assobio causando sensação de frescor...
  Dobra a vegetação ao pé das imensas montanhas..

  Em mais um anoitecer iluminando com
 Mais um dia de “Lágrimas de Sol”!




Colhendo centelhas


Plena com minha menina...
Revelando em mim a felina...
Resgatando toda a feminilidade...
Voltando á amar de verdade.!

Num mar de felicidade...
Bem dona da minhas vontade...
Realizando-me!
Resvalando em desejos...
Entre abraços e beijos...
Insanos e tão loucos...
Que á mim pareciam poucos...
Pelos anos de calabouço...

Que vivi como dentro de um fosso.
Mostrando-me em ser absoluta.
Libertando em mim a conduta de coisas formais...
Sempre tão iguais...

Colhendo milhões de centelhas...
Num campos de sonhos...
Entre lençóis de cetim...
Bordados num céu de estrelas!

As marcas do meu batom...
Tatuaram a pele tua...
Mesclaram em outros tons...
Nossas verdades... Nuas e cruas!

Tão profanos nossos desejos...
Quão ardentes foram teus beijos!
Tocaram-me feito uma flauta...
Á cada pausa uma nota...

Em cada voar de gaivota...
Eu me sentia no céu...
Voando em total liberdade...
Senti o que é amar de verdade!

Agora que já passou...
Comigo só as centelhas...
As estrelas deixei contigo...
Para o caso de querer revê-las...

Comigo tocá-las de novo...
É só trazer os lampejos...
Pois os desejos de beijos...
Ainda estão acesos...

Para colher as centelhas!

Lágrimas


Lágrimas


Lágrimas são gotas!

São cascatas de diamantes!
Que serão ainda lapidados.
Pelo tempo dos sentimentos!

Pelo sabor do momento...
Acintoso desvario da alma...
Que pena, que sofrem...
Que gostem que gozem...
Em olhos que choram...

São fluidos tão quentes...
Tão gélidos por dentro...
São pontos que escorrem...
São lágrimas da chuva...
Que nos olham e molham...

Do céu que então chora...
Querendo ir embora...
E tornar como antes...
Cascatas brilhantes...
São lágrimas de amantes...
Que choram...

Que vem e que vão...
Na mais perfeita solidão.

Lágrimas...
São tantas, são santas...
São mantras, são ondas...
São lágrimas!
São gotas de chuva!

Lágrimas são poemas!
Alegres, felizes...
Tristonhos sedentos...
Tormentos...
Expressão, sentimentos...

Lágrimas...
Ocultas tão absolutas!
Insólitas injustas!
Irrigação da inspiração!
Da solidão dos poetas!

Que espreitam...Um dia virarem poesia...
Tal qual lágrimas vertidas dos olhos do céu...
No mais perfeito rito de purificar o ar...
E novamente tocar o mar!







 


O Palco Das Ilusões


O palco das ilusões


Palco das ilusões...
Das invenções mais esplanadas.
Palco dos horrores... Tão inversos seus valores!

Palco das ilusões...
Das poesias e dos versos.
Palco do mundo... Do côncavo e do convexo!

Palco das ilusões...
Dos personagens milionários...
Palco dos governantes... Que fazem o povo de otário!

Palco das ilusões...
Das destruições gratuitas...
Palco das emoções... De tantas almas aflitas!

Palco das ilusões...
Das depredações do ambiente...
Palco de tanta gente... Que por isso ficam doentes!

Palco das ilusões...
Das versões mais encantadas...
Palco dos amores... Das almas apaixonadas!

Palco das ilusões...
Dos empresários e dos patrões...
Palco dos ordinários... Paga ao povo o menor salário!

Palco das ilusões...
Das adivinhações e dos profetas...
Palco das previsões... Das profecias sempre incorretas!

Palco das ilusões...
Dos poemas e dos poetas...
Palco das melodias... Onde tudo vira poesia!

Palco das ilusões...
Da vida passageira...

Palco de ilusões...
Mundo dos ladrões...
Palco dos vilões!...Onde sempre tem perdões!

Palco das ilusões...
Mundo dos poetas!

Sonia Gonçalves 21/03/2013