sexta-feira, 4 de outubro de 2013

O Tempo Das Coisas das Vida



O Tempo Das Coisas das Vida

Dura o que o tempo atura
Atura até o tempo que dura
Seja infinito... enquanto infinita é a chama
O tempo das coisas que ama

Como uma vela acesa que ilumina
Como se a chama não fosse divina
O fogo que te queima apagando em fio
É o fogo que em chamas já ardeu o pavio

O tempo que não absolve ninguém
O vento é seu aliado também
Destituem esperanças das almas em brasas
Ao voar e bater palmas com as asas

Acenando das nuvens... Andorinhas em revoadas
Farfalhando asas... Cruzando o céu anil,
Mostrando que o tempo é um relógio vil
Uma aventura enquanto  aventuradas

Faz queimar a própria língua nas cinzas quentes
Saturando e furando as horas incoerentes
Como é obsceno ver coisas partirem
Quão revigorantes ver novas surgirem

Insignificância para velhas esperas
Lua nova em esperanças que se acendem velas
Novas chamas que te farão queimar
Amores eternos pelo tempo que durar

O tempo que as coisas duram
É o tempo de um vento soprar...


Sonia Son Dos poemas
Postar um comentário