sábado, 26 de outubro de 2013

SOLIDÕES POÉTICAS


Solidões Poéticas

Solidão !!! Asas sem versos, versos sem som
Então amanheço em páginas de livros e vidros
Sol somente em decomposição, rios sem tom
Estilhaços do tempo, seus amores esquecidos

E me toma esse silêncio em ecos solitários
Alucina-me e ouço versos... Gemido ao longe
Alaridos em arcos de madeiras em céu templários
Desgostosos sinos de um mosteiro, canção de monge

São as lágrimas das almas... que estardalham
E os rastros em poeiras, descidas das ladeiras
E candelabros apagados aos ventos espalham
Dàquelas viagens os sonhos e vidas cegueiras

Viagens insólitas inusitadas lembranças  
Entorpecendo-me com versos sem rimas são pó
Sussurrando amores ao pé do ouvido tão só
Vem-me em nuvem de fumaça sem esperanças

E grita o peito... sobre as muralhas, tais dores
Cortam as navalhas... rasgam seus dissabores
Arco-íris e céu rubro as estrelas sem as flores
Das passagens solidões, poéticas e desamores

E nessa assombração entre sanidade e loucura 
Ora estendida sobre o piano sou partitura
Em outra ferida como pássaro d’alma tão pura
Sombra em bruma triste solidão sem cura.

Pássaro de Lata e Son Dos Poemas




Postar um comentário