quinta-feira, 13 de março de 2014

Abracei Um Poeta

Ao me aproximar senti seu perfume...
Um cheiro de amor de fantasia
Suspirei... Senti gosto de boemia
Abracei seu ser que voava em lume de poesia...

Na boca doce de menestrel trazia sedução
No olhar desregrado de poeta inspiração
Nirvana de Minh’ alma alfa que atinge
Vagueia no cosmos de tua essência poética que finge...

Desvendei os enigmas, deleite literal eu confesso...
Abracei teus mistérios, esfinge e flores de azeviches.
Saboreei teu pecado original em côncavo inverso
Deitei em teus lençóis de águas e fetiches

Mesclei areia d’ouro em pó com cortesia
Cheirando á rosa de cerejeira...
Com sabor de poema e poesia
Abracei-me ao poeta com minha cor brejeira

Senti perfumar minha alma nua e reticente
Olhei no espelho a imagem presente
Ouvi sons em silencioso gemer como um grito
Beijei a fantasia o poema amante mais bonito

Abracei um poeta estava em Alfa e Ômega...
Flutuava no espaço de Perseu e Andrômeda
No céu de sua constelação fiz-me entrega...
Vi que era sonho... Despertei na alvorada...

Son Dos Poemas



Postar um comentário