quinta-feira, 24 de julho de 2014


Portal Inverso

Um cartão postal inverso...
Raio que atravessa meu portal
Corta-me ao meio afinal submerso
Vejo um filete arquitetônico... Tão real...

Paralelo com a realidade... Perfeito...
Alcança feito uma lança o coração acerta
Como uma lâmina fria atravessa o peito
Arranca-me gemidos faz minh ‘alma inquieta

Balança minha estrutura de fibra
Estardalhaça como cristais desequilibra
Faz meu corpo vibrar em desesperação
Navegar sobre lágrimas salmourar emoção

Aterrissar... Recolher âncoras alçar velas
Ofuscar a visão, amotinar... Ignorar as caravelas
Ver um submarino amarelo em seu mundo
Faz romper meu elo cair num sono profundo

Mudo absurdo o submarino amarelo...
Mil flashes fulminantes afundo de verdade
Felicidade que se espalha pela cidade
Thor que abraça, faz tour de graça, joga o martelo...

Entender o ato um silêncio imediato submerso
Aceitar o fato que alguns são mestres a bordo
Caminhar na proa á toa mergulho e acordo...
Me sentido côncavo de um com verso...


Bojudo com tudo agosto posto virtual
Oposto ao meu gosto exposto irreal
Suposto segredo meu sol convexo...
Som de universo sem nexo aqui anexo...

Meus versos incompreensíveis sintetizados...
Pesados, sonhados, abreviados...

Son Dos Poemas




Postar um comentário