domingo, 31 de agosto de 2014



Acordei Poesia

Acordei num sonho de fantasia... 
Em reinado de pura magia
Em meio ás nuvens meu eu menina...
Senti sabores doces vi Cora Coralina

Em outras sendas desfilava a meiguice 
Com seus contos calorosos estava Clarice
Contagiei-me pelo seu jeito sedutor 
Era mesmo a Lispector com seu ar dominador...

Liberta de pudores num reino de nostalgia
Com olhar languido e tímido Meireles surgia...
A pintora Cecília professorava poesias líricas...
A Poetisa recitava escrevia as rimas ricas

Do outro lado da vereda imaginária...
Acesa brilhava luz, vinda de uma linda candelária 
Muitas flores belas entre elas Flor Bela Espanca
Menina poeta, esculpia lágrimas em pérolas de esperança.

Lindo sonho meu momento nirvana...
Abracei um lume de estrelas sem saber ...Era Quintana
Ouvi sua alma soluçar... Era a torneira á pingar...
Gotas de sabedoria impregnava o ar...

Eis que de repente despertei poesia...
Em meio à garoa fina que caia, Pessoa partia...
Eu lhe disse... Até um dia Fernando!
Até lá vou remando... Nesse imenso mar amando!

Son Dos Poemas



quarta-feira, 27 de agosto de 2014



Há Nuvem Dentro D'MIM

Há sim uma nuvem que se movimenta
Ás vezes é nuvem de gralha barulhenta
Outras muda como as fases da lua 
Ás madrugadas me veste e deixa nua

Em tempos tudo muda vive o momento
Parola incessantemente qual andorinha no vento
Faz o coração farfalhar e inflar no peito
Debruça sonhos na janela ao luau perfeito

Há sim uma nuvem branca q'espuma do mar...
Um leão marinho que vem me encontrar 
Um quero quero insistente que quero ensinar
Á dizer que me ama sem hora ou lugar...

Há uma nuvem dentro de mim á movimentar
Querer beijar o beija flor que quer me beijar...
Um querê de passarinho querendo voar...

Son Dos Poemas



sexta-feira, 8 de agosto de 2014



Escândalo Em Inspiração

Escandalosamente quero-te
Ardorosamente desejo-te
Com fusão d’alma minha sempre existirá
E apele palavras á pele castanha traduzirá

Abstraindo toda a filosofia de sua vida...
Escrevinhando futilidades em conjecturas 
Escrevendo o amor de forma mais atrevida
Resumindo... Com paixão leio suas escrituras...

Literatura infinita nos rabiscos sinceros
Inspiração divinal dos anjos etéreos...
Amado que meu silêncio faz gritar
Gemedor de amor e unir verso á mar...

Minha eterna inspiração por prazer
Maior amor de sonho ave-real do meu viver
Pássaro de presságios promissor
Asas que me abraçam em puro ar amor

Escandalosamente amo-te e desejo
A melhor coisa da vida é saborear-te em beijo
Fervoroso meu sangue é quente em sol astral 
Com fluidez nossa ligação é saboreal 

Calorosamente minha insígnia sem nenhum pudor
Escandalosamente sua boca de vapor é meu desejar
Exagerada a mente rabisca você em extenso amar
Deliciosamente nosso escândalo escreve... AMOR!

Meu escândalo é te amar...

Son Dos Poemas



Somente Inspiração 

Raios trovões intuições...
Reflexos e reflexões invenções
Tudo é vida brinda inspiração 
Contida num jardim de imensidão...
Tantas coisas loucas...as vozes
Roucas ou graves...
Serenas as suaves...
Os seres volúveis e fúteis
Os ciúmes das coisas imuteis 
Os valores os amores...
Os insanos tão normais
E os normais sempre iguais
Somente inspiração...
A pira que acende o universo
Os coriscos os riscos e rabiscos
O silêncio tão profundo faz barulho
A honestidade tão bonita faz orgulho!
E o amor mais que perfeito?
Está na flor...
Que é amor perfeito!

Son Dos Poemas





Soltando As Feras

Uma fera indômita mora em mim
Infinitamente selvagem mais dócil sim!
Ás vezes ela é linda como uma flor de xaxim...
N’outra hora indomada ferve no ventre de mim

Minha fera interior meu eu estopim
Habitante do meu filosofismo tão cortês
Retrato meus vários ismos, um dois três...
Fera libertada na dor e na essência tupiniquim

Ligeira a mente é minha fera libertação
Vorazmente tempestade em qualquer estação...
Mil sensações me fazem libertá-la
Mostra-la ardorosa e assim desnudá-la

Minha fera é doma e domadora
Fauna e flora de gaia protetora
Ave predadora como uma harpia 
Misteriosa como uma coruja que ao longe pia...

Minha fera que é de meus devaneios pertences
Quando aflora com fúria faz dobrar em romances
No silêncio dos pensamentos ser fera num lance
Amante d’minha alma indomada e sem alcance...

Vantagem mesmo é saber ser fera e se expor...
Revelar-se em véu de franqueza
Isso te fará ser fera e ter realeza 
Uma gata felina sem pudor

Mulher fêmea e feminina... 
Flor e Amor!
Son Dos Poemas


Meu Sonho Lendário

Sonhei-te cavaleiro valente e destemido...
Um ser brioso dos morros uivantes...
Um cavalheiroso gentil enobrecido
Sonhei-te reluzente entre mil diamantes

Mil e uma noites tantas melodias
Um jardim eterno que orvalhava e sorria
Havia sol em meio à garoa fina você e poesia...
Nuvem de romantismo albinismos dos dias...

Sonhei-te meu cavalheiro mais gentil...
Um cavaleiro saído de algum livro juvenil
Vestia sua armadura e empunhava espada
Um viajante do tempo atrelado ao nada...

Sonhei-te cavaleiro galopante...
Personagem fictício de Miguel de Cervantes
Um Dom Quixote louco sonhador e amante
Um conto delicioso de poesia e romances

Sonhei-te meu cavaleiro em apego...
Um templário da távola de Athur
Um cavaleiro justiceiro da excalibur 
Meu sonho de amor meu sôfrego...

Meu sonho em lendas de fantasias...
Meu amor intenso em rede de poesias
Trançando meu destino em pétalas de bruma...
Tecendo meus sonhos em penas e plumas...

Son Dos Poemas


Eterno Seja Namorado

Sempre amado e desejado com furor
Sonho de outono aquecedor d' meu ar
Eterno poema príncipe amado meu amor...
Namorado eterno pelo tempo que faz voar


Vestindo fantasia brincando com prazer
Sorrindo diante do dia em raios de amanhecer
Sejam sagrados os amantes enamorados
Guardados pelos anjos cupidos apaixonados


Cativados pela luz com intuição...
Enfeitiçados pelo vento sem explicação
Apoderados de magia boa, acalentando o espírito...
Margeando com a mão o amor mais bonito


Entretelas de sonhos o mais belo mosaico de versos
Encaixando as peças com arte de bom gosto 
Sempre ao nosso gosto os versos mais ricos
Abraçados no céu em nuvens do infinito


Amados sempre enamorados em fascinação...
Presentes da alma para o coração
Paixão por amor e amor por amar...
Tudo é tão belo espiral do tempo respirar


Perder a voz e o fôlego só de imaginar...
Que tudo se faz pouco quando muito é esperar
Enveredado na veia d’alma branda inspirar
Abraçando o som compondo uma música e dançar...


Son Dos Poemas 


Cem Opções

Sem ar de mim...
Cem opções me veem
Olham para o fim
Eu para o horizonte além...

Contemplo mais de cem opções
Arde amor em minhas intelecções 
Sem compreender o mistério do infinito
Percorro e cavalgo com asas de vento

Meu pensamento viaja em todas as direções
Faz sintonia com universo e sente as vibrações
Tanto são os mistérios das almas conflitas
Cem opções faz das fantasias mais bonitas...

A verdade é a pureza de se mostrar...
Sem hipocrisia vestir o seu caminhar
Amor único é verdadeiro quando presente
Mata o sonho quando o presente é ausente

Intelecção e sintonia tenho com as estrelas
Se fechar os olhos mesmo assim posso vê-las
Tão palpável o céu que posso tocar ao extremo
Suspirar sem dimensão e ver que Tudo é supremo

Mais de cem opções dobram minha língua
Cem opções minha consciência é serpente
Me morde com seu veneno em jato quente 
Como uma naja mata-me á míngua...

Cem opções cabem em meu ser...
Sem opções deixo-me ser.

Son Dos Poemas

quinta-feira, 7 de agosto de 2014



Dália Vermelha

Dália linda vermelha acalorando o ar...
Pétalas atraentes em feitiço de amar
Baila no ar altaneiro ao nosso olhar se lança
Encanta-nos tocar-te ao curvar faz dança...

Enfeitiçando os campos e hortos florestais
Tal qual a rosa domina os sentidos mortais
Pigmentada em rubra de pura simplicidade
Ornamenta a visão com ar de superioridade

Dália és flor de veludo...
Beleza que impera os quintais do mundo
Flor amorosa em vermelha paixão
Cores fecundas em qualquer estação

Flor dadivosa que reluz ao sol
Beldade que encanta qual um rouxinol
Dália feiticeira és rosa de pétalas reais
Com suavidade das herbáceas normais

Tua humildade faz-te singular no jardim
Flor majestosa com toques de querubim
Raios em ouro do sol que te banha
Bulbo dourados é de sua cor castanha...

Dália rainha e princesa imperial
Bela és tua flor tão comum quase banal
Beleza que coroa sem espinho
Vermelha é tua pétala cor de vinho

Son Dos Poemas



Do Barro Que Viemos

Amoldada em teu reino encantado
Em barros semelhantes pré-moldados
Num molejo dos dedos que faz gingado
O mais longo dos cortejos sentenciados...

Libertos são os desejos cantos de solfejos 
Barrados no baile onde o tempo são ensejos
Versos de poemas liras ao ar cantam alento
Talhados em poesia faz tempestade ser vento

Inspire-se com a brisa e sinta-me agora...
Um fino orvalho é minha alma que chora
Verte lágrimas poéticas em poesia de greda
Grita em seu silêncio é amor quem segreda

Salga os dissabores faz-me doce os suplícios
Diga ás estrelas que os raios do sol são resquícios...
Imaculada como a lua por seus olhos cândidos
Talhada é fibra minha d’alma barroca sou cânticos

Cozinho barreados ao vinho em fogo vaporoso
Jarros são de barro e nosso jeito de amar saboroso...
Ardido amor que tempera o vício do som...
Com pétalas de barro faz solo propício ser bom

Em brasa o barro de nós é matéria são prismas
Nossa primazia beijos são fogueiras... Sofismas... 
Cozer o barro em fogo brando faz vapor
Moldar a língua no céu de sua boca acende-me amor...

Son Dos Poemas


Mansidão Da Alma
Calma alma que me domina
Branda ‘outro lado que me alucina
Menina que se perdeu num passatempo
Mulher que se mostrou nua ao senhor do tempo

Mansidão d’alma que flutua no vento
Buscando alento para suas tempestades
Bravura que a faz ver o ar em movimento
Assidrando com sabor de saudades

Como cidra em doces dúvidas de acidez
Hipnótica a mente valsa em minha nudez
Meu som embriagante meu costume é placidez 
Bocas oscilantes vertentes de amor em pele fez...

Mansidão que ferve a alma...
Quando o corpo pede calor
Apodera-se então perde a calma
Puro amor faz amor por amor!

Assim perde a calma e faz a alma arder
Amar com fúria e vigor esvanecer e ferver
Evaporar como gotas de vapor sobre as pedras
Escorrer como águas de cachoeiras ás quedas

Mansidão da alma que me quebra o juízo
Vastidão desse amor que é meu palco preciso...

Son Dos Poemas

sábado, 2 de agosto de 2014





Festa de amigo leão

Para cantar parabéns com rugidos felinos
Dia de festejos leonino
Aniversário de amigo menino
Aquecerá os ventos de muitos invernos

Recebendo carinhos de águas termas
Mais um ano para abraçar com as pernas
Viver feliz com o transbordar de amor
Namorar a vida e tomá-la como licor

Que seja de morango que adora
Enfeitando a borda com amoras vermelhas
Homem natureza que a vida namora
Ungido em centelhas sejam sempre vitórias

Deguste a vida como fosse bebidas
Brindando com sucos em taças de cristais
Que a vida reluza sempre e brilhe mais e mais...
Que as taças contenham muitas cerejas e ais...

Agraciando esse homem leão
Á quem festejo e beijo o coração
Amigo que vivendo mais um ano triunfal
Amizade virtual para todo sempre que seja real

Homem educado e gentil
Faz do mural um céu de anil
Amigo inteligente e perspicaz 
Alma polida e sagaz

Amigo inteligente com assiduidade
Homem cavalheiro que brada igualdade
Alma nobre!...Defende os índios e a natureza
Tinha que ser de leão com certeza!

Sonia Gonçalves
Son Dos Poemas