sexta-feira, 8 de agosto de 2014






Soltando As Feras

Uma fera indômita mora em mim
Infinitamente selvagem mais dócil sim!
Ás vezes ela é linda como uma flor de xaxim...
N’outra hora indomada ferve no ventre de mim

Minha fera interior meu eu estopim
Habitante do meu filosofismo tão cortês
Retrato meus vários ismos, um dois três...
Fera libertada na dor e na essência tupiniquim

Ligeira a mente é minha fera libertação
Vorazmente tempestade em qualquer estação...
Mil sensações me fazem libertá-la
Mostra-la ardorosa e assim desnudá-la

Minha fera é doma e domadora
Fauna e flora de gaia protetora
Ave predadora como uma harpia 
Misteriosa como uma coruja que ao longe pia...

Minha fera que é de meus devaneios pertences
Quando aflora com fúria faz dobrar em romances
No silêncio dos pensamentos ser fera num lance
Amante d’minha alma indomada e sem alcance...

Vantagem mesmo é saber ser fera e se expor...
Revelar-se em véu de franqueza
Isso te fará ser fera e ter realeza 
Uma gata felina sem pudor

Mulher fêmea e feminina... 
Flor e Amor!
Son Dos Poemas
Postar um comentário