terça-feira, 30 de setembro de 2014



Bem Vindos Sejam

Arte é sinônima indivisivelmente
Mas indivisível é a arte singularmente
Um plural de virtudes em criação visível
Uma arte singular em inspiração invisível...

Um jeito todo peculiar é a tela de si pintar
Falar ao inexplicável tudo que não se pode explicar
O que impressiona é arte em silêncio expressar
Falar, calar, gesticular, tudo ter forma e se formatar...

Fazer arte é atear fogo na mente e incandescer
Exprimir o que se sente com arte é prazer tecer
Ver como inexprimível é amor ao se conhecer
Contar ás estrelas solos segredos faz encanecer

Agrisalhar os fios e a pele aos dentes ranger
Incorporar ao espírito o que um dia tanger 
Fazer pulsar infinitamente a razão do coração
Bater aceleradamente com o calor da emoção...

Novas faces velhas histórias memórias reminiscentes
Somente o vento tem as respostas em leva d’ dantes 
Observada pela alma tal qual ponderava Platão 
As recordações mais importantes são como canção

Nunca se esquece d’ alma q’ aquece insistentemente
Indelével é o ser que nos apalpa clandestinamente... 
Lembranças em nuances traduzem o intraduzível 
Abraça o que sente sem compreender o inatingível...

Pedir para a lua traduzir o que ao mar quer dizer
Com lente de aumento todo sentimento ler...
Em cada entrelinha atinge o limiar d’nossas linhas
Entrelaçar nossos horizontes ao alvorecer...
Amar ver luzes e estrelinhas...

Son Dos Poemas
Postar um comentário