sexta-feira, 5 de setembro de 2014



Quando


Quando olho para você eu sinto...

Sinto sua angústia em minha possessão

Seu desejo em tocar as estrelas e margear com a mão

Comer como um torrão de açúcar em doce tinto

Peras ao vinho com licor seria bom...
Marcaria teu corpo com meu vermelho batom
Far-te-ia livre meu quebrado tabu de presente
Beberia no ar seu oxigênio nu e cru, lentamente...

Dançaria em torno de ti seria serpente...
Ofertar-te-ia uma maçã vermelha al dente
Faria evaporar todo amor na boca tua
Seria assim sua musa “lua” toda nua...

Mas... Quando olho eu o teu olhar...
Fico eu então á te desejar imaginar...
Desejar que fosse um falcão ou uma águia sem lar
Dar-te-ia asas num sopro para q’ pudesse voar...

Quando olho para o teu olhar carente de mim
Vejo o mundo inteiro ser metade sem fim...
Vislumbro você meu cavaleiro lendário
Impregnado d’meu cheiro por todo seu ser solitário

Quando olho para você sonhador peregrino
Consigo ver e sentir tudo que vi em teu olhar matutino
Essa percepção que em ti já vivi meu poeta menino
Bebi em teu transe de amor, quando em ti, li meu destino...

Desatino d’consciência em tua ciência...
Quando olho para você me vejo
Sinto em seu olhar a carência
Daquele longo beijo...

Son Dos Poemas
Postar um comentário