segunda-feira, 20 de outubro de 2014



O Corcel misterioso

Um ser alado, calado... Negro como a noite sem luar...
Acendia velas em candelabros, somente com o brilho do olhar...
Negras eram as pupilas brilhantes, semelhantes estrelas do mar.
A pelagem denotava linhagem em porte majestoso, 
O negrume da crina reluzia no escuro absoluto e espantoso,
O perfume q' emanava d' dama á noite, flor com olor portentoso
Cobria o dorso animal, um manto liso, maravilhoso...
Rompia os fios do silêncio enegrecido , um canto um gemido,
Som de mistério trazia eco d’outros tempos, ouvia-se o rugido...
Reluzia em lume de brilho como um diamante negro atemporal
Voava contra o tempo, com asas de vento, um pégaso irreal...
Melodioso o silêncio suspirava melodia, ouvia-se... My Immortal...
Havia um cavaleiro encantado encantador era peregrino um viajor...
Espalhava folhas amarelecidas pelo tempo amor...
Deixava rastro no vento e pegadas nas nuvens de poesia e fumaça
Desenhava, escrevia nas estrelas, com giz de cera, elegância e graça...
Conspirava encontro misterioso com sons de magia e fantasia...
Clandestino era seu destino que escrevia poesia...
Cavaleiro sem divisa cavalgava na brisa dos pastos verdejantes 
Trazia nas mãos um poema no bolso uma gema de diamante
Um corcel fantasma intrigante uma sombra sobrenatural
Espantava os pirilampos dos campos de neve branquejados
Cruzava os céus de sete amores suspirantes e arquejados
Lardeava aos quatro cantos amores ao vento desfraldados
Um cavaleiro e um cavalo, um rei sem seu vassalo,
Soberania sem o manto, mistério e encanto d’um cavalo
Diz a lenda... Que um cavalo negro mágico é incandescente...
Sem cavaleiro em sua montaria voava pelos ares da poesia livremente
Surgia como estrela cadente feito relâmpago de repente...
Transformava-se num feiticeiro, um cavaleiro fino e elegante
Suas longas madeixas embranquecidas pelo tempo esvoaçante
Assustador era seu relinchar sombrio...Luz e penumbra enfeitiçante 
Misterioso o seu olhar perdido e vazio nos ventos uivantes...
Causava espanto em meio ao nevoeiro que orvalhava intrigante 
Havia um olhar de donzela, uma rosa na janela e um diamante...
Essa é a lenda de um corcel misterioso enegrecido...
Um cavalo ou cavaleiro magia de um feiticeiro desconhecido...
SOn Dos Poemas
Postar um comentário