quinta-feira, 15 de outubro de 2015

Meu Amado







Meu Amado

Escrevo-te nesse poema mais singelo...
Nos meus sonhos de areia e castelo
Quando no infinito te amo bem além
O perfeito vejo nu e no beijo vejo também...


O amor mais puro e mais amado
Nos versos mais loucos transversais
Na sanidade do sentido tateado
No destino pelas vias paralelas e laterais

Escrevo-te nas estrofes incógnitas atemporais
No fazer amor unindo os versos e tudo mais
Meu jardineiro em sintonia infinita 
No complô da sinfonia clássica mais bonita

Amado... Escrevo-te em papel timbrado
No favo com ciência e mel extraído
Verso amor que enlouquece a poesia
Que nenhum hospício meu sentir faria sentido

Sinto o sol me tocar á sombra
Ao meio dia á meia luz da penumbra 
Sinto-te como segunda pele tecido
Ao toque de cada dia enrarecido

Na tessitura da vocálica intensa
Nas ranhuras que agarras a recompensa
No tom incolor do ar rareado
Perfumo-te de ternura meu amado.

Son Dos Poemas 
Postar um comentário