terça-feira, 27 de outubro de 2015

Meu Poema Branco




Meu Poema Branco
Acostumei a escrever-te no bronze...
Mas hoje escrever-te-ei nas nuvens do céu...
Marcarei com orvalho branco d'aurora das onze
Numa folha d’outono perdida ao léu.
Nas folhas virgens lisas e sem rasuras
Nas gotas d’chuva sobre um lírio branco
Nas ranhuras da memória das brumas...
Escrever-te-ei poema na praça dum banco..
.
Com as digitais dos dedos far-te-ei lembrança
Com lábios d’esperança na calda dos cometas
No meu sorriso delineado nos fios d’minha trança
Uma nova dança em várias coreografias perfeitas...
Escrever-te-ei brincadeira em vigília d’insônia
Amor abundante nas climáticas profusas
Na interrogação lacrimosa aos olhos da poesia
Beber-te-ei beijos como seiva d’uvas
Dar-te-ei mil folhas preenchidas de sabedoria
Para ver se um dia você cria juízo afinal...
Velarei teu sono com amor todo dia
E o sabiá saberá saborear o mel boreal.
Escrever-te-ei em minhas esquinas poema...
Beijarei tua licença poética na língua com rimas
Serei eu tua Iracema a poção louca da jurema
Poesia nua e crua amor que arde em chamas...

Son Dos Poemas
http://sopoesie.blogspot.com.br/
Postar um comentário