sexta-feira, 13 de novembro de 2015

SETEMBRO EM PROSA



Setembro em Prosa

Mais um mês transeunte, preste atenção e depure os sentidos...
Nesse mês o natural é ficar mesmo embevecido, verifique tudo o que acontece acredite que tudo é transeunte, assunte que nem tudo se esquece, mas setembro é o mês em que a vida floresce.
Envaidece os sentidos embriagados espalha uma fragrância com essência de natureza e cheiro de chuva fértil, terras produtivas suspiram flores sempre vivas, rosas, miosótis, girassóis e violetas e outras tantas presentes... O buquê é atraente para as borboletas com o cheiro inerente dos crisântemos em tons variados. O atrevimento fica por conta das rosas que fazem pose e grita “close” á lente do tempo, enverga-se livre, leve e nua, faz pacto com a lua transcendente. Deitada sobre a relva dos rios e cabeceiras aprofunda harmonia com a natureza...
Setembro chega fazendo coreografia nas quedas d’águas das nascentes e cachoeiras que energizam e dá ciência á poesia, consistência ao poema com diversidade pinta telas e temas... 
O sol surge luminoso acorda a vida com os quatro elementos, o ar puro dos pinheiros os passaredos voando ao vento, o enredo escrito á luz do fogo dos candeeiros pelas mentes pensativas no silêncio das estrelas ao som dos coriscos e terra molhada...
Conta Gaia em sua geografia fecunda, dita simplicidade e toda fortuna dela oriunda, sagrada verdade. Seja a terra bendita a Benedita feminina que me lembra de que hoje arrebenta e nasce setembro a gosto da cabal supremacia.
Foram nove meses de gestação, dias corridos de preparação...
Arruma o quarto, pendura esculturas antevê bons momentos...
Exercita a musculatura da boca, com sorriso tudo na face e fácil, essencial é ser como móbile porque há dança e movimento...
Assim como as andorinhas espreitam o verão no céu de setembro, abre a partitura na nova sinfonia mensal, mantras de chuvas, versos, parreiras plantas e cura austral.
Tanta prosa margeia essa era de loucura, tantas heras é canção nas folhas de primavera nas reticências e tal...
Há expectativas para a mais linda estação... Aquela que eclode em prazerosa visão, mostra a dama da noite perfumada ao albor crepuscular... Traz flores nas mãos e nova canção de amor particular... Ah!...Uno universo espetacular! 
Tens o coração oleado de calêndula untado de poesia, conta contos e lendas, fragmenta lembranças e germina esperança... Quantas onze horas de diversas tonalidades, renovará nosso espírito com desenhos escritos no pergaminho da felicidade...
Fragrâncias espalhará com cheiro de manhãs setembrinas fazendo bruxas e fadas saírem da rotina, se desnudar ao luar, colher flores e framboesas do campo, suspirar pelos cantos, versejar feito camponesas em meio á neblina... Quantas meninas, quantos meninos nascerão...
Quantos ribeirões quantos riachos e águas quebrarão...
Quantas flores quadras e lírios, alvas brumas, tantas plumas, quantas penas voarão?...
Bem digo a rosa dos ventos, saber que setembro é agora novo tempo, novos versos mês portento.
Tantos setembros sem sombras de dúvidas
Enfeitarão nossa retina com momentos coloridos...
Escrevo aqui artigo prosaico ambíguo...
Sim!... Desejo bem até para os nãos amigos...
Son Dos Poemas
Postar um comentário