sábado, 19 de dezembro de 2015

Antologia Poética



Antologia Poética

Converto-me em verso d’antologia 
Escrevo-me sem ópio admirando papoulas
Entorpecida mente é mera fantasia
Mentolado o beijo diz mel ás papilas

Ao fluir d’amanhã salivar é o porvir 
O desejo do poeta antológico sonhador
Café ousadias maçãs e poesias fulgir...
Parir os versos com flúor e amor...

Antologia parece véu que cobre a piracema
O dialético grão d’ pólen, flor e porém...
Universos pensamentos díspares em poema
Dispo-me d’tudo isso indiferente verso além...

Deixo-me fluir feito rio térmico e corrente 
Me farto d'estrelas nos portais d’utopia
Espalmo a lua cheia atrevida incandescente
Seguro com garras e dentes onde trepida poesia...

Assim línguas destoam ar de novembrada 
Sincrônicas trazem palavras em simetrias 
Poética coluna d’concreto arvora armada
Hasteada ao vento a flâmula poesias...

Tanta coisa ainda posso escrever...
Tenho mais dedos que ‘lua crescente
Para me despir basta um poema ler
E far-te-ei uma antologia incandescente...

Son Dos Poemas
Postar um comentário