quinta-feira, 14 de janeiro de 2016

Outubro



Outubro

Setembrei ontem hoje outubro
Em plena primavera espero 
Com manto de flores me cubro
Assim sempre viva me quero...


Com tempero ou destemperada
Pimenta é minha maçã do amor
Assim me faço equilibrada
Perfumo-me d’essência e suor

‘Alma afina sintonia que outubra
Aviva a palidez da face displicente
Cora com certa embriaguez rubra
Anuncia novo fim de ano pra gente...

Causa lua púrpura encanto d’libra
Expectativas nas fibras temporais
Gerânio nos canteiros espanta e vibra
Ao som dos tinos e sinos das catedrais

E tudo é ouvido em canção novamente
Rubros passarinhos passarinham em clamor
Numa sangria desatinada não permanente
Bem vindo seja outubro Eterno seja amor!

Son Dos Poemas 
Postar um comentário