quinta-feira, 14 de janeiro de 2016

São Paulo



MEU BERÇO MEU ORGULHO

São Paulo

Terra altaneira d’garoa pendente...
D’manhãs climáticas cinzas e metrôs
Paixão d’bruma coleção e pingente
D’Avenida São João em tempos retrôs

Sampa amada minh’megametrópole 
Cidade onde o tempo faz dinheiro
O vento é rápido agente financeiro
O faroeste é urbano e megalópole

Já o caboclo ocupa o topo das janelas
Portando manual d’sobrevivência
Paulistanos loucos ruas e avenidas
E outros palanques com eloquência...

São Paulo meu ponto franco mais forte
Efeito colateral da rosa-dos-ventos
Comanda marcada meu sul e leste
Sudeste das estações se’de eventos...

Mil fotografias e paisagens mutantes
São Paulo me transita em formosura
Pontes transeuntes rodoviárias viajantes
Deslumbrante é o movimento loucura...

Meu berço meu orgulho d’sentinela
Traz na garganta uma serpente entalada
Do poluído Pinheiro Tietê a espinha espinhela
Traz cheiro d’pressa e poesia engasgada

Meu berço esplêndida utopia estampa
Meu sonho d’magia á margem cotidiana
Rebento da minh'alma poesia “Sampa”
Canta muito prazer sou Sô paulistana.

Son Dos Poemas
Postar um comentário