sábado, 20 de fevereiro de 2016

Desejos


Desejo

Vontade é bicho que assusta e cutuca...
Ter você em meus lábios enredado
Desejo d’m dia gris ser feliz ser maluca...
O beijo na nuca mais que desejado...


Desejo em cometer o pecado original
Na embocadura e estrutura do ser
Vê-lo amar na grande estrela boreal
A suculenta maçã instigando morder...


O toque d’veludo das tropas dos dedos...
O tecido carnal trêmulo avermelhado
O pronto silêncio num baú de segredos...
Tantas cores d’amor ao mel matizado


O amor sacramentado ao acaso á pino
Nosso hino d’enredo na rede incólume 
O referendo d’um poeta será destino?
Ou desatino da coleta feita em lume?


Desejo d’incondicionalidade dito ao léu
Escrito num ritual d’um livro d’espanto
Amado meu... Quem mesmo escreveu?
Um mar d’desejos num céu d’acalanto?


Versou o pecado da luxúria em linha reta...
Amou com loucura converteu ‘alma ao carnal
Apaixonou-se pela simplicidade com fúria poeta...
Quem mais irá amar o outro assim absorto real?



Son Dos Poemas 





Postar um comentário