domingo, 27 de março de 2016

Amor E Reflexão



Amor e Reflexão

Reflexos sãos amor e compaixão...
Viver na veracidade compõe a cura
O verbo seja expressão do sábio coração
A lição com apreço á essência mais pura


Sem licença para descompostura
Não precise ver São Thomé p’ra crer
Que a Páscoa seja revestida d’ternura
Abrande o coração expandindo o ser...

Na ressurreição que encante a patativa...
Em busca do pão o alimento eleve ‘alma
Encontro seja união no todo sempre coletiva
A dádiva do ser que conduz induza á calma...

O trigo e o centeio á livre escolha optativa
Os fins nem sempre justifiquem os meios
Floresça a nuvem da paixão receptiva
Paz num buquê de rosas ou lírios brancos...

Luz no reflexo dos olhos de tantos e tantos...
Ascenda aos sentimentos a vivalma
A língua floresça em amores portentos
Maravilhas sejam poemas no olho do vento...

Paz e Luz!

Son Dos Poemas

sábado, 26 de março de 2016

Rio D’Aleluia




Rio D’Aleluia

Sou rio d’esperança corrente nas artérias...
Águas interruptas faz-me enchente ser
Sorrio na distância á te querer aleluias...
Em lágrimas sou fragata leniente volver

Sou raio d’esperança por regra gente
Passeio por vias nas curvas transversais
Meço a amplitude no olho do horizonte
Olho a extensão dos efeitos colaterais...

Sem pressa ávida celebração é pão e vinho...
A vida me ensina sô rio por dentro d’alma
Deleito feito o poeta me voo passarinho...
Navego ao amor abrupto sorrio d’calma

Versejo o beijo e o jeito no céu do palato
No gorjeio dá paz na algazarra que afama
Prazer é gota d’alcaçuz meu cheiro d’mato...
O orvalho declama á amar quem se ama...

Ascendo ao teu perfume n’ma lineta d’incenso
Penso... Quantas tramas viram fumaça
Eu?... Vejo aleluias num lume d’borboletas denso...
Olho ‘alva esperança voar pelos ares feito garça

Renasço riacho doce respostas dos oráculos...
Rios d’esperanças acho pontes meu suporte
Encontro aleluias nos miríades d’obstáculos
O cântico jubiloso faz do rito o grito forte...

Boa Sorte!

Son Dos Poemas

sexta-feira, 25 de março de 2016

Templo D'Paz




Templo D'Paz

Que seja teu templo sagrado...
Teu corpo e tu'alma pacíficos
Nosso céu azul marinho turquesa
Que a dureza da vida não nos esmoreça
Seja um jardim d'flores nossa prece unguentos
Nossas cabeças possam ser tingidas ao desbotarem
Sempre lindas alvoreçam em cores os pensamentos
Á magia do tempo a leveza do vento...
O tempo sempre d'amor seja santificado
O perdão concedido por Deus ao seu julgamento pesados...<3 o:p="">
Perdoados os pecados seja feita sua vontade...
Expurguemos os maus sentimentos
Que o melhor alimento seja amor o maná d'alma
A calma e paciência nossa fortaleza
A melhor arma seja a palavra perfumada ás palmas...
Os dias d'poesia sejam os mais ricos
Os ísmos d'tão líricos sejam grandes fortunas
Bom p'ra viver sem medos sem riscos
Asas d'sabedoria seja o bem nas manhãs oportunas
Voar sempre em paz feito uma pomba branca
Ou feitas as tantas negras existentes graúnas
No templo toda honra e toda glória a nós...
No tempo lembranças motivos d'orgulho alegria á vós!
Que os momentos não sejam fardos insustentáveis
Os chamados bens duradouros ou duráveis
Não nos consumam á vontade...
Que o bem maior seja o bem comum cabíveis á todos do Bem...
Que a justiça dos homens empregue sabedoria
Seja empregada impregnada de Paz e bem todos os dias...
Amém!


Son Dos Poemas

segunda-feira, 21 de março de 2016

Acalanto De Amor Insano



Acalanto De Amor Insano

Acalanto assim meu amor...
Sem sonhos tão insanos
Tiro os pés dos ares e volto a pôr
Vejo por do sol sem tantos planos

Nessa insanidade perseverante
Vestida de saudade e nostalgia
Nos dias que “te amo” sou solevante
N’outras sem “te amo” levanto poesia...

Passeio numa nuvem nevoenta
Troco mil beijos nessa louca aventura
Leio tuas letras pela noite sonolenta...
Insônia do acaso por acaso por ventura

Não tenho a cura para essa loucura
Disfarço então minha agonia 
Caminho no amor na farta ternura
Livre feito um sonho de poesia...

Nesse momento penso comigo
Coleciono-te dentro do livro de sedução
Faço de você meu iminente perigo
Abrigo-te do lado de dentro do coração...

Acordo com os olhos ociosos submersos
Nada é tão breve que nunca será...
Insistente é a mente a dizer-me versos
Diz que amor é verdade quem viver verá...

Son Dos Poemas

Expresso D’Outono



Expresso D’Outono

Ouço o apito do trem d’novo outono chama...
Me abandono na unidade do pensamento
No ponto d’encontro Sô dona em fogo chama
A ópera que ouço sai da boca do miolo do vento...


O espanto é meu conto meus tantos roteiros...
Outono onde me revejo na unidade do beijo
O tempo pela metade unânimes somos inteiros
Vejo as folhas amarelecidas num lugarejo...

Mil dobraduras sapecas diabruras outonais
Travessuras é colher frutas maduras no pé
Pêssegos cerejas amoras orvalhos e outras mais
Vê uma porção d’lua d’outonos éter no ar fé...

Atenuar as mudanças bruscas e abruptas
Fiar a poesia tecendo o amor que me ilumina
Escuto os cânticos dos trilhos por vias imprevistas
Escandaloso expresso vêm o trem que amanhã culmina

Aterrissa agora nova aurora d’bruma prometedora
Novas entradas e partidas “Boa nova” estação
Gesto é intenção da vontade redentora
Viajo também nos trilhos engano a imaginação...

Perfaço meus caminhos sorrio sigo os cursos...
Vejo-me menina florida como a cerejeira
Outonearei em versos hibernarei feito os ursos
Brotarei nas castanhas das flores d’outono brejeira...

Bem Vindo Outono as folhas caem e a vida se renova!

Son Dos Poemas

Aroma D'Felícia



Aroma D’Felícia

Desde as primícias Sô agraciada...
Assumida a mente vive nas alturas
Deserta sô palavra d’mim agregada
Reverencio as mais diversas culturas...


Vejo no m’eu poeta indecifrável amuleto
Tempero e química d’enigmas cabais
Uma louca magia que acende meu peito
Amor d’poetas é coisa d’almas atemporais

Abissal é o lume que afortuna o semblante
Borboletas no estômago são pirilampos
Lufadas de ventos felicidade basculante 
Enche os pulmões d’ares puros dos campos

A felicidade é queda d'água lufa lufas...
É banho de cachoeira só quem vê crê
A pressa quando se chega á bulhufas 
Corre-corre p’ra que se a vida é turnê?

Acho que até o tempo é sem pressa
A pressa é nossa em primeiro grau
Galgar os degraus mais que depressa
Atingir o cume entre o sonho e o real...

A felicidade é ambidestra habilidosa
É escrita com ambas as mãos d’escultor
Uma segura o bastão outra afaga a rosa
E o coração escreve o bordão... ”AMOR”...

Son Dos Poemas

Apetência



Apetência

Apetece-me ser a poção que te encanta...
O suprimento necessário p’ra tua alma
A calma canção d’ninar que te levanta
Tatear teus sentidos na ponta da palma...

Ser a gula dos teus sentidos d’prontidão
A fração aparente imprópria d’tua reta
Se encontro nos segredos trancafiados

Nos sonhos e quimeras que lutam comigo
Te vivo nos motins dos beijos roubados
No outono que desejo no amor que abrigo...

Son Dos Poemas er a regra mais quebrada com exatidão
Desejo ser tua parte inteiração poeta

Almejo ser-te infinitamente desejável
O ser mais amável teu par mais perfeito
O amor de todo jeito diferente inigualável
Interminável desejo é abrasar-te o peito

Só por contradição invadir teu coração
Refestelar-me em teu corpo d’deus grego
Inspirar-te poesia dentro d’alma emoção
Despertar magia dar-te meu colo e chamego

Aconchegar todos teus fetiches em mim
Vejo-te tão especial através dos tempos
Reconheço teu gosto no beijo festim... 
No cântico do mar no sibilar dos ventos

Te encontro nos segredos trancafiados
Nos sonhos e quimeras que lutam comigo
Te vivo nos motins dos beijos roubados
No outono que desejo no amor que abrigo...

Son Dos Poemas

Verso Puro



Verso Puro

Coração versus razão meu verso...
O amor mais puro é complexo
Seria simples não fosse anverso
Um lapso d’memória em anexo


Se tiver teu amor me converto 
Faço um concerto n’alma minha
Escrevo nas estrelas um soneto
Despejo em tua boca avinha

Faço um enxerto n’alma tua
Estudo tua morfologia aparente
Planto um ramo de oliva na lua...
E faço de ti meu sol poente

Conserto nossos primeiros erros
Passo uma borracha d’acerto
Marco novo encontro com Eros
Deito meu coração no teu peito...

Seguro tua mão meu trovador...
Verso teu olhar iluminante
Realizo teus sonhos apuro amor
Faço-te placebo unguento calmante...

Fartar-te-ei de mel pão e vinho
O tempero mais doce e delicado
Alimentar-te-ei feito um passarinho
Chamar-te-ei Anjo Amor Amado...

Son Dos Poemas

O Som De Outono



O som De outono

Eis que surge o poeta das manhãs...
Sob o olhar da pétala vermelha púrpura 
O deus dessa estação com aroma das maçãs
De repente o sol poente como uma pintura


Alvorecendo com imponência após um ano
Encanecendo nas asas do tempo novamente outono
Senhor e dono dos ventos minuanos
Brisa que sopra os arbustos renovando os ramos...

Outono que precede o inverno...
Como um trem percorrendo as paisagens...
Trazendo novas vidas outras bagagens 
Novo silêncio que impera... Outono!

Desfolhando as rosas fazendo-as choronas
Como samambaias verdes amarelecendo
Novamente o outono chega renascendo
Outra estação aflorando nossas entranhas

Verossímil é essa estação outonal e bucólica
Quantas imagens em águas revoltas
Tanto reviver ao ver solene o revoar das gaivotas...
Tantas são as memórias que no ar se solta...

Folhas secas voando pomposas ao vento
Tão leve é o outono breve e sedento
Logo chega o inverno frio e rigoroso
Envelhece o outono por ser mais forte e poderoso

Deixa o outono rosa com sorriso amarelo
Perde-se do poeta na estação do além...
Um abraço um beijo e o trem logo vêm...
Uma lágrima seca e silenciosa faz o elo...

O outono o amor é veloz...
O tempo o senhor mais algoz
A passagem...
A mente faz a viagem...

Son Dos Poemas

segunda-feira, 14 de março de 2016

Posia Límpida





Boa tarde poética nesse dia da poesia!!!Bjos

(14 de março Nacional da Poesia)

Poesia Límpida


Poesia é papo de Anjo, doce mel tem aroma de céu, sabor de orvalho, luz de cristal, reflexos, efeitos, sintomas...

Existem poetas e poetisas e existe a poesia predominante. O bom gosto que impregna a poesia através dos versos mais delirantes, os veteranos mais entendidos de poesias que me desculpem, pois sonho a poesia que vivo! Não me considero nem sou expert no assunto, apenas escrevo o que me vêm, mas não uso da poesia para atingir ninguém, nem muito menos ofender alguém...Vocês me conhecem!...Conhecem minha poesia o meu Só Poesie há mais de 4 anos me acompanham...


Para mim Poesia é postura elegante, conspiração do universo, extensão do espírito translúcido brilhante. Poesia é uma centelha embebida d’alma extraída da literal essência perfumada do melhor de nós ( pureza), linda pomba alva, lilás, turina, voraz. Bonita seja ela alegre ou triste com rimas ou sem, métricas ou também, isso não é importante para a beleza da deusa “Poesia”...Uniforme em sumo resumo a homogenia vai tomando forma adquirindo cores mostra o tornozelo sem apelo com profunda harmonia, insinua-se ao leitor sem jeito tímida vai fazendo alquimia, adentrando o peito aconchegando a emoção, exala amor com vontade vai reagendo a fusão...Mostra os cotovelos vestindo a ilusão corre livre apenas a pena nas mãos....Arde a imaginação do leitor vive...Cria asas e voa longe...Poesias têm sim asas que alçam voos distantes...

A pena pousa no papel e rabisca sem ordem chuvisca de trás para frente de frente para trás... É um suspiro poético nosso sorriso esbaforido, sentido, recebido como uma lambada de vento na face, nas costas é um bafo de alento, um grito na garganta que preso se liberta, poeta e canta o conto indelevelmente... Sussurra os sonhos com atrevimento nos ouvidos nus, fala ao nosso canto interior... Poesia é PUREZA é AMOR! Está em tudo que o poeta vê e sente, fala do todo quanto ama é polivalente revela dor...

Dissimula espalha recolhe tantos fragmentos...

Moldamos, enfeitamos, transformamos em versos os pensamentos avoados, soltos, loucos, afoitos p’ra voar mundo a fora, igual Agora...Dizem somos poetas uma sociedade de loucos, somos, porém nem tanto, um poeta sério não desdenha o outro, não fala mal, acho que isso depõe contra a obra do escrevente...Somos polos positivos reator reagentes, vivos médicos, padres, poetas temos um juramento poético, respeitar o outro autor e leitor... Respeito á nível pessoal o traçado o que se faz natural, normal é escrever , reescrever o verbo infinito você...Deixo ao critério de quem quiser ler, mas peço aos poetas em nome da poesia, quando receber o "Santo"e temos tantos...

Teça um manto de poesia na rede

Magia é alquimia e poesia também.

Son Dos Poemas