segunda-feira, 21 de março de 2016

Acalanto De Amor Insano



Acalanto De Amor Insano

Acalanto assim meu amor...
Sem sonhos tão insanos
Tiro os pés dos ares e volto a pôr
Vejo por do sol sem tantos planos

Nessa insanidade perseverante
Vestida de saudade e nostalgia
Nos dias que “te amo” sou solevante
N’outras sem “te amo” levanto poesia...

Passeio numa nuvem nevoenta
Troco mil beijos nessa louca aventura
Leio tuas letras pela noite sonolenta...
Insônia do acaso por acaso por ventura

Não tenho a cura para essa loucura
Disfarço então minha agonia 
Caminho no amor na farta ternura
Livre feito um sonho de poesia...

Nesse momento penso comigo
Coleciono-te dentro do livro de sedução
Faço de você meu iminente perigo
Abrigo-te do lado de dentro do coração...

Acordo com os olhos ociosos submersos
Nada é tão breve que nunca será...
Insistente é a mente a dizer-me versos
Diz que amor é verdade quem viver verá...

Son Dos Poemas

Postar um comentário