segunda-feira, 21 de março de 2016

Apetência



Apetência

Apetece-me ser a poção que te encanta...
O suprimento necessário p’ra tua alma
A calma canção d’ninar que te levanta
Tatear teus sentidos na ponta da palma...

Ser a gula dos teus sentidos d’prontidão
A fração aparente imprópria d’tua reta
Se encontro nos segredos trancafiados

Nos sonhos e quimeras que lutam comigo
Te vivo nos motins dos beijos roubados
No outono que desejo no amor que abrigo...

Son Dos Poemas er a regra mais quebrada com exatidão
Desejo ser tua parte inteiração poeta

Almejo ser-te infinitamente desejável
O ser mais amável teu par mais perfeito
O amor de todo jeito diferente inigualável
Interminável desejo é abrasar-te o peito

Só por contradição invadir teu coração
Refestelar-me em teu corpo d’deus grego
Inspirar-te poesia dentro d’alma emoção
Despertar magia dar-te meu colo e chamego

Aconchegar todos teus fetiches em mim
Vejo-te tão especial através dos tempos
Reconheço teu gosto no beijo festim... 
No cântico do mar no sibilar dos ventos

Te encontro nos segredos trancafiados
Nos sonhos e quimeras que lutam comigo
Te vivo nos motins dos beijos roubados
No outono que desejo no amor que abrigo...

Son Dos Poemas
Postar um comentário