segunda-feira, 21 de março de 2016

Aroma D'Felícia



Aroma D’Felícia

Desde as primícias Sô agraciada...
Assumida a mente vive nas alturas
Deserta sô palavra d’mim agregada
Reverencio as mais diversas culturas...


Vejo no m’eu poeta indecifrável amuleto
Tempero e química d’enigmas cabais
Uma louca magia que acende meu peito
Amor d’poetas é coisa d’almas atemporais

Abissal é o lume que afortuna o semblante
Borboletas no estômago são pirilampos
Lufadas de ventos felicidade basculante 
Enche os pulmões d’ares puros dos campos

A felicidade é queda d'água lufa lufas...
É banho de cachoeira só quem vê crê
A pressa quando se chega á bulhufas 
Corre-corre p’ra que se a vida é turnê?

Acho que até o tempo é sem pressa
A pressa é nossa em primeiro grau
Galgar os degraus mais que depressa
Atingir o cume entre o sonho e o real...

A felicidade é ambidestra habilidosa
É escrita com ambas as mãos d’escultor
Uma segura o bastão outra afaga a rosa
E o coração escreve o bordão... ”AMOR”...

Son Dos Poemas
Postar um comentário