sábado, 26 de março de 2016

Rio D’Aleluia




Rio D’Aleluia

Sou rio d’esperança corrente nas artérias...
Águas interruptas faz-me enchente ser
Sorrio na distância á te querer aleluias...
Em lágrimas sou fragata leniente volver

Sou raio d’esperança por regra gente
Passeio por vias nas curvas transversais
Meço a amplitude no olho do horizonte
Olho a extensão dos efeitos colaterais...

Sem pressa ávida celebração é pão e vinho...
A vida me ensina sô rio por dentro d’alma
Deleito feito o poeta me voo passarinho...
Navego ao amor abrupto sorrio d’calma

Versejo o beijo e o jeito no céu do palato
No gorjeio dá paz na algazarra que afama
Prazer é gota d’alcaçuz meu cheiro d’mato...
O orvalho declama á amar quem se ama...

Ascendo ao teu perfume n’ma lineta d’incenso
Penso... Quantas tramas viram fumaça
Eu?... Vejo aleluias num lume d’borboletas denso...
Olho ‘alva esperança voar pelos ares feito garça

Renasço riacho doce respostas dos oráculos...
Rios d’esperanças acho pontes meu suporte
Encontro aleluias nos miríades d’obstáculos
O cântico jubiloso faz do rito o grito forte...

Boa Sorte!

Son Dos Poemas
Postar um comentário