domingo, 18 de dezembro de 2016

Descentralizar


Descentralizar

Por carecimento
careço descentralização
não ser foco de qualquer pensamento
não praticar automutilação

A discrição sempre me fez salutar
minh' melhor ousadia é ousar
pensar alto roubar sua atenção
tirar a roupa num close pura sedução

Ando feito um coiote andarilho sozinho
num ambiente mutante eu passarinho
sô das planicies lá dos lagos e rios
posso ser sereia ou uma loba no cio

Centro das atenções se pedir a ocasião
o tempo não tem de mim detenção permanente
nem a cadeia alimentar é minha prisão
meu insinuante sorriso é sol reagente

Minh' aquiescência com tua alma é fulgor
luz e cumplicidade pelo instante contigo
durante o tempo todo meu louco amor
me lembra um livro de bolso bem antigo...

Son Dos Poemas * Sônia m.Gonçalves

O Feitiço Estava



Feitiço Estava

Estava no ar que os pulmões filtravam contido...
No doce da brisa recém-amanhecido 
Estava no conteúdo da poesia 
No aroma d’ livro do poema que escrevia...

O feitiço estava contido na bruma...
No aconchego no banho d’espuma
Na chuva fina cuja paisagem molhava
Nas pegadas poéticas que na vereda marcava...

O feitiço estava no conjunto do dia que raiava
No olhar de melancolia que o vento soprava
No cântico dos Anjos que o tempo dobrava...
Estava no cheiro que temperava natureza viva

Exalava nas narinas perfume matizes e alvores
Na conjugação sem direção do amor em cores
Nus estávamos com a alma em desapego...
Talvez o feitiço estivesse no gosto de pêssego...

Na avidez dos desejos insaciáveis de dançar...
Na sangria que teríamos que desatar
Nas tantas estrelas do nosso brilho no olhar
O feitiço estaria nos sonhos compatíveis com o luar?

Estaria na incompatibilidade do momento
No sonho mais bonito no infinito escrito...
A magia estaria nas roupas atiradas ao léu...
Ou seria no poder de flutuar e tocar nuvens no céu...

O feitiço estava lá de presente...
É só fechar os olhos e sentir o que sente...

Son Dos Poemas 
*Sônia M.Gonçalves