sábado, 11 de março de 2017

Correria P'ra Me Alcançar



Correria P'ra Me Alcançar

Correria sim se eu pudesse...
Alcançar em mim o que me esquece
A juventude não fosse florisse
E toda lágrima não chorasse sorrisse...

Correria pelo sim pelo não
Um dia agora n’outro mais tarde
Um beija flor pousasse na palma da mão
Carregasse toda a solidão que me arde

Bebesse o doce mistério amorável
Derramasse nos lábios derradeiro beijo...
Dissesse-me “amar é a razão mais razoável”
E teus suspiros fossem doces despejos...

Dessem vazão pro improviso versejo
Navegar em tua boca á catadupa
Explicar o inexplicável amar que bordejo
Tu cachoeira que refestelo sem culpa...

Se do chão só riso se abrisse em bagatela...
Bem sagrado visse vida a mão humana
O caminho feito fé peregrina á Compostela
Ouviria a voz que emite e d’alma emana...

Por fim correria se o vento em alazão
Não embaraçasse a pelagem robusta
O tempo não fosse correria que vão...
A vida lima e limão q'me aurora e degusta...

Son Dos Poemas 
Sônia M.Gonçalves

Arte: escultor inglês Robin Wight
Postar um comentário