domingo, 21 de maio de 2017

Sem Fim


Sem Fim

Arde em mim... Arde em mim...
Ai de mim faltasse você seria meu fim...
Sem teus beijos para eu morrer 
Sem teu ar para eu inspirar e renascer

Sem tua voz de trovão para eu despertar
Sem teu peito de homem para eu me aninhar...
Ter teu cheiro bom em minha pele infiltrado
Não dizer teu nome e sussurrar-te meu amado...

Que o nunca seja sempre aqui o apogeu
Minh’ alma poética gêmea e amada
Ter-te sempre enigma para que sejais meu!...
Ser eu a esfinge por ti devorada...

Estrada sinuosa que me conduz ao céu...
Língua que me queima a língua em fogaréu
Com fins seja teu olhar em me despir
Abrasando-me a carne em junção ventre unir

Lábios que sugam e me lambuza de mel
Teu orvalho marcante em meu olhar de rímel
Infinito seja como Mozart oração de réquiem
Canção que é para mortos, mas dar-te luz de vida além...

Sem fim sejam tuas páginas alvas para preencher
Que seja minha luz ilumina-te escrever
Inspira-me ‘alma com teus braços de ramalhetes...
Adoça minha existência com teu olhar de diamantes

Sem fim seja tua existência sem cruz
Unindo poema e poesia em luz...

Son Dos Poemas#SôniaMGonçalves
Postar um comentário