domingo, 11 de junho de 2017

Pedido ao Vento



Pedido ao vento

Acordo fiz eu com o tempo... 
Para que este passe bem lento 
Quando estiver meu eu contigo 
Deixe você sereno pra voar junto comigo 

Pedido tenho feito ao vento 
Que me dê absolvição e liberte meu coração 
Não sopre tanto você no pensamento 
Perdoe meu atrevimento a minha obsessão 

Essa ilusão fria e calculista 
Que realista me faz desejar sua aparição 
Desse sentimento louco e altruísta 
Dessa sensação de amor e perdição 

Que o vento o sopre em minha direção 
Dobrando as estações do ano em otimismo 
Vivenciando esse amor entregue sem condição 
Desfrutando-o todo em total sincronismo 

Sem decisão divago no vácuo do abismo 
Sem direção á seta que o alvo aponta 
Ungida de amor perdida no espaço sismo 
Abalo que o desatino o destino afronta 

Fazendo de mim um ser amor egoísta 
Desejando você como uma recompensa 
Mas doando amor até se perder de vista 
Apossando-se da mente em vapor que condensa 

Amor que de mim faz sua súdita em crença 
Subordinada e amotinada ao mesmo tempo 
Como a alma de um eremita em renascença 
Sendo eu cientista e amor meu experimento 

Instrumento que uso pra levitar é amar 
Grito e acredito amor é a canção mais bonita
Sussurro aos quatro cantos e faço multiplicar 
Amor em movimento que o peito arrebenta 

É acreditar que amar é o coração alimentar!

Son dos Poemas#Sônia Gonçalves
Postar um comentário